Valdir de Paula Furtado (2015) Medicina – São José do Triunfo – Paraná

Nasceu em S.J. do Triunfo, Pr, então um vilarejo entre S.Mateus do Sul e Palmeira, às margens do rio da Várzea, afluente do Iguaçu. Fui o primogênito de  Manoel Babosa Furtado, alfaiate, e Magdalena de Paula Furtado. Na minha infância tive grande influência dos meus avós maternos Anísio, farmacêutico e Maria Amália, professora, que foram de fundamental importância na minha formação moral e de cidadão. Tive 5 irmãos, dos quais 1 faleceu com 4 anos de idade e uma natimorta. Dos vivos, o que se chamava Almir viveu em Guarapuava, onde veio a falecer por grave enfermidade. Dois estão vivos: Maria Terezinha, aposentada, que possue 2 filhas e 2 netos e José Anísio, engenheiro, que póssue 3 filhos e 1 neto.Ambos moram em Curitiba.
Minha mãe faleceu prematuramente aos 39 anos de idade. Meu pai contraiu segundas núpcias com a sra. Francisca Huch, com quem teve 2 filhas. O relacionamento meu e dos meus irmãos com nossa madrasta foi sempre de muito carinho e afinidade. Estas duas irmãs por parte de pai não residem em Curitiba: a mais velha, Valdenice. mora em Rebouças. Pr e tem 1 filho: a mais jovem, Rosemary. mora em Carambeí, Pr e tem 2 filhas.
Passei minha infância na minha cidadezinha natal, com o amor dos meus pais e avós, convivendo com meus irmãos, sempre feliz e
minha família sem maores problemas. A população do vilarejo era pequena, todas as pessoas se conheciam, Havia um ambiente de amizade e camaradagem entre as famílias. O único progresso que vi chegar na minha infância foi a energia elétrica, por uma pequena usina a diesel, inaugurada em 1948. Havia uma linha de ônibus de S.Mateus a Curitiba, que passava pelo meu povoado, quando não chovia, porque as estradas eram de terra batida e ficavam intransitáveis. Mesmo sem chuva, a viagem para Curitiba,  de pouco mais de 100 quilômetros, levava 06 horas. Telefone, água tratada e esgoto nem se cogitava na época. Mesmo assim a escola era boa: fiz meu curso primário lá e passei em excelente colocação no exame de admissão ao ginásio, no Colégio Estadual do Paraná. Quero ressaltar aqui a competência e dedicação dos meus professores primários, dos quais uma era minha tia e outra prima do meu pai. Minha avó materna era incansavel me ensinando em casa, me auxiliando dos deveres escolares, cobrando meu estudo.
Com 11 anos de idade vim para Curitiba para o então chamado curso ginasial. Meus avós se mudaram para Curitiba, e morei com eles pelo  resto da minha infância e minha juventude.   Tambem graças ao apoio e desvelo de minha avó, fui um bom aluno no curso ginasial. Com 15 anos de idade, assumi meu primeiro emprego como “office boy” no laboratório da Santa Casa, cujo diretor era o excelente patologista Dr. Atys Quadros da Silva, homem de extraordinas competência profissional e  qualidades humanas e que tambem teve grande influência na escolha da minha profissão e na minha formação moral.  Fiz o curso científico à noite, em razão de estar trabalhando e prestei o vestibular para o curso de Medicina, na Universidade Federal do Paraná,em l956.Relembro com saudade e admiração dos excelentes professores que tive no Colégio Estadual do Paraná.
O curso de Medicina foi um períoodo de felicidade e realização para mim. Senti-me tranquilo durante todo o curso e tambem relembro dos grandes professores que tive.Durante o curso de Medicina fiz o Servbiço Militar, no CPOR de Curitiba e no Hospital Geral do Exército.  No início do curso comecei a namorar uma linda jovem, que era minha colega de trabalho, Maria Ilda Gonçalves. Formei-me em 1961 e casamo-nos em 1963. Tivemos nossa primeira filha, Valdenice Amália, em novembro de 1963.
Antes de casar eu já tinha ganho bolsa de estudos nos Estados Unidos, da Fundação Kellogg, graças à boa vontade e esforço de 2 dos meus grandes professores: Reginaldo Werneck Lopes e Adyr Soares Mulinari, ambos ex-bolsistas. Prestei o concurso “American Medical Qualification Examination” que era regido pelo “American College for Foreign Medical Graduates”, tendo obtido excelente aprovação. Viajei com minha esposa e filha que contava com 4 meses de idade, para os Estados Unidos em abril de 1964. Moramos em N.York durante 4 meses, que foram um prolongamento da nossa lua de mel e onde fomos muito felizes. Lá fiz curso intensivo de inglês na Columbia University e tive o primeiro contacto com a medicina americana nos extraordinários New Tork Hospital, Memorial Hospital e Bellevue General Hospital. Em seguida fomos para Atlanta, Georgia, onde vivemos por 2 anos. Não hesito em dizer que foram 2 dos melhores anos da nossa vida. Minha experiência profissional e de aprendizado no “Emory University
Hospital” foi fundamental para minha formação profissional em Hematologia e Oncologia. . Tive lá a oportunidade de conviver com pessoas extradordinárias, tanto colegas como professores, verdadeiros padrões de ética e moral no exercício da profissão. Quero destacar aqui o extraordinário professor Charles M.Huguley Jr. não só pelo seu conhecimento científico e capacidade profissional, como tambem pelas suas qualidades e amizade.
Voltamos para Curitiba em 1966. Voltei a trabalhar na Santa Casa, desta vez como médico, exercendo a especialidade de Hematologia e Oncologia, parte do tempo no laboratório e parte atendendo pacientes. Em 1969 fiz concurso para professor assistente na Universiade Federal do Paraná,  disciplina de Hematologia do Departamento de Clínica Médica, onde iniciei minha carreira no magistério superior, logo após minha aprovação no referido concurso. No ,mesmo ano nasceu minha segunda filha, Ana Valéria. Exerci toda da minha carreira de magistério traabalhando, dando aulas, orientando acadêmicos e médicos residentes, no Hospital de Clínicas. Em 1970 nasceu meu terceiro e último filho, Valdir Jr,
Fui diretor do Laboratório Clínico do Hospital de Clínicas por 2 anos, de 1974 a 1976. Em 1981 minha filha mais velha, Valdenice, formou-sem Direito ´pela Universidade Federal do Paraná.
Em 1988, por indicação do então secretário de saúde do Estado do Paraná, fui nomeado diretor do Instituto de Hematoloogia e Hemoterapia do Paraná, Hemepar, função esta que exerci por 2 anos.
Em 1990 minha filha Ana Valéria teve sua formatura em Fisioterapia pela PUC/Pr, e meu filho Valdir Jr. formou-se em Arquitetura em 1992. Em 1994 eu e minha querida esposa tivemos um revés brutal, com a morte da nossa filha Ana Valéria em um lamentável acidente. Esta desgraça marcou nossa vida desde então. Em 1996 minha filha mais velha, Valdenice Amália, fez concurso para Procuradora Federal do Trabalho, tendo sido aprovada em exclengte colocação e tendo escolhido trabalhar no Rio de Janeiro.
No ano 2000, nasceram meus netos: Gabriel da minha filha Valdenice, e Giovana do meu filho Valdir Jr. No mesmo ano,, eu e 2 colegas fundamos o Instituto de Hematologia e Oncologia Curitiba, que felizmente evoluiu muito bem, com sede própria que nós fizemos construir e contando atualmente com equipe de 14 médicos, hematologistas, oncologistas e cirurgiões oncológicos.
Há quase dois anos, no dia 30 de dezembro de 2013 tive a segunda grande desgraça da minha vida: perdi minha querida esposa, Maria Ilda, vítima de problema cardíaco fulminante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *