José Caetano Ferreira Neto (2016) Turfe – São Mateus do Sul – Paraná

Nasci em uma cidade interiorana do Paraná, São Mateus do Sul, no dia 1° de maio de 1941. Tive a sorte de nascer em uma família muito estimada e querida, onde meu pai, José Caetano Ferreira Junior – conhecido carinhosamente como Juquinha – e minha mãe, Ezilda Ferreira do Amaral me proporcionaram uma infância muito feliz, sempre em contato com os animais

Sou pai de três filhos. A Lara Danielle Santos Ferreira, administradora com ênfase em comércio exterior. O Caetano Ferreira Filho, advogado, que é casado com a Renata Estrazulas Yoshikawa Ferreira. E a Isabele Cristina Ferreira Shwetz, bacharel em direito, casada com o Alexandre Shwetz Filho.

Eles me deram o prazer de ter seis netos. A Maria Julia Torrealba Ferreira, o João Guilherme Ferreira Malucelli, o Caetano Tavares Ferreira, a Sayuri Yoshikawa Ferreira, a Maria Luiza Ferreira Shwetz e a Helena, que nasce em julho deste ano, 2019.

Quando criança tinha muito contato com a natureza. Sempre no meio dos cavalos de propriedade do meu pai, tinha um que era especial, o Tostado. Ele foi trazido do Jockey e eu montava-o direto, inclusive disputando corridas amadoras com os amigos.

Meu pai amava os cavalos, então íamos juntos para ver as corridas na raia de cancha reta que tinha na cidade. Acredito que graças a ele surgiu esta paixão pelos cavalos e principalmente pelas corridas. O que me fez quando adulto criar cavalos e fundar o Haras M’Boicy. O nome veio do bairro de Foz do Iguaçu onde morava minha esposa Regina Maria Santos Ferreira, com a qual sou casado há 45 anos, mãe de meus filhos, nascida em Ponta Grossa.

Quando me mudei para Curitiba continuei como criador, transferindo as instalações para o Distrito de Cotia, em São José dos Pinhais. Até hoje possuo cavalos puro-sangue inglês, crioulos e paint horses.

Comecei meus estudos ainda em São Mateus, primeiro no Grupo Escolar Paulo Fortes. O ensino fundamental eu cursei no Colégio Estadual Duque de Caxias, me mudando para Curitiba onde fiz o ensino médio no Internato Paranaense, dos Irmãos Maristas.

 Prestei vestibular e fui aprovado no curso de Direito da Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUC/PR. Formei em 1965 e ingressei no Ministério Público do Paraná, como promotor de justiça substituto interino, nomeado pelo então procurador geral Professor Ary Florêncio Guimarães.

 Na Secção Judiciária da Comarca de Foz do Iguaçu desde fevereiro de 1966, atuei nas Comarcas de Toledo, Guaíra e Cascavel. Decidi prestar concurso para promotor de justiça substituto em 1968, sendo aprovado e nomeado para a Secção Judiciária de Pato Branco, onde prestava serviços na Comarca de Francisco Beltrão.

Ao ser promovido, me tornei o primeiro promotor da Comarca de Medianeira, atuando nas Comarcas de Cascavel, Matelândia e Capanema. Novamente fui promovido, assumindo a Comarca de Foz de Iguaçu, onde exerci a profissão por vinte anos. Ainda fui promovido mais uma vez, desta feita para a capital, onde me aposentei.

Durante todo este tempo tive diversas funções públicas, das quais me orgulho muito. Fui Secretário da Indústria e Comércio de Foz do Iguaçu; Membro do Conselho de Curadores da Fundação Educacional de Foz do Iguaçu; Presidente do Conselho de Administração do Centro de Convenções de Foz do Iguaçu – CONFOZTUR.

 Também participei do Governo do Estado, exercendo as funções de Assessor de Gabinete do Secretário de Estado da Indústria e Comércio, na gestão de Álvaro Dias; fui Membro do Conselho de Política Industrial e Comercial do Paraná – COIND; Membro do Conselho Fiscal da Mineropar.

 Na gestão Jaime Lerner fui Procurador Jurídico dos Jogos Mundiais da Natureza; com Roberto Requião fui Chefe de Gabinete e Diretor Geral da Secretaria de Justiça do Estado do Paraná; fui Ouvidor dos Direitos Humanos do Paraná; Ouvidor do Sistema Penitenciário do Estado do Paraná; Membro do Conselho Penitenciário do Estado e Conselheiro do Programa Estadual de Assistência a Vítimas e Testemunhas Ameaçadas – PROVITA/PR.

Ainda exerci cargos considerados “não públicos”, mesmo com estas instituições trabalhando pelo bem comum e em prol da sociedade. Fui Presidente do Country Club de Foz do Iguaçu; Presidente do Rotary Club de Foz do Iguaçu; Venerável da Loja Maçônica Manoel Ribas; Diretor Financeiro do Jockey Club do Paraná, na gestão Ubaldo Siqueira.

Hoje sou presidente da Associação dos Criadores e Proprietários de Cavalos de Corrida do Paraná – ACPCCP e também sou Membro do Conselho Fiscal do Banco Cooperativo Sicredi, Cred Júris Paraná.

Dentre todas estas atividades profissionais, me trouxeram grande orgulho ter criado e participado de projetos de relevância na sociedade. Quando fui Secretário da Indústria e Comércio de Foz do Iguaçu, por exemplo, eu criei um Distrito Industrial para as empresas, que teve muita expressão para a cidade e para as indústrias que ali foram implantadas.

Também fui o criador do Parque Mineiro Turístico de Foz do Iguaçu, que apresentava aos turistas todo o processo de manufatura das pedras semipreciosas da região, desde o formato delas ao serem retiradas da natureza, passando pela lapidação até a parte comercial, onde os turistas podiam comprar os artigos da mesma. Ali se tornou um grande ponto turístico.

Quando fui presidente do Rotary Club de Foz do Iguaçu, criamos o “Lar das Meninas”, que tinha uma grande importância social. Meninas carentes recebiam alimentação, aprendiam afazeres domésticos e ainda estudavam.

Participei ativamente dos Jogos Mundiais da Natureza, que foram grandiosos para o Paraná e principalmente para Foz do Iguaçu. Ali fiz toda a estrutura jurídica do evento.

Na Secretaria da Justiça participei de dois projetos muito importantes. Um deles foi a criação do Disk-Denúncia, que é ativo até hoje. Na minha gestão criamos este projeto que possibilita que os cidadãos possam denunciar crimes sem a necessidade de identificação, através de um número gratuito (181).

Outro projeto importante que está ativo até hoje é o Programa de Proteção às Testemunhas – PROVITA/PR, que até hoje funciona e ajuda a justiça a conseguir delações para incriminar grandes chefes do crime organizado.

Por fim, quero agradecer os idealizadores do Memórias Paraná pela oportunidade de escrever minhas lembranças que, por certo, possibilitarão aos meus descendentes e futuras gerações saber quem foi José Caetano Ferreira Neto. Um homem que teve a vida pautada pelos ideais da liberdade, igualdade e fraternidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *