Erasmo Pilotto (2008 TV Professor) Educação – Curitiba – Paraná

A presente pesquisa pretende, por meio da investigação da trajetória intelectual de Erasmo Pilotto (1910-1992), analisar as concepções e o papel dado à arte como fundamento da formação cultural da criança e do professor, avaliando como, no decorrer de sua trajetória, suas concepções de arte variaram entre a arte tradicional e a moderna, classificadas por Pilotto como “arte longa” e “arte breve”.

A pesquisa se voltará à investigação dos espaços de sociabilidade e de atuação profissional desse autor, destacando entre esses espaços os campos artístico, educacional e político e suas inter-relações. Na história da educação paranaense, Pilotto foi um dos principais articuladores do Movimento pela Escola Nova – MEN, mas com uma compreensão diferente das principais concepções pedagógicas presentes no MEN, nas quais a arte era apresentada como uma atividade, entre outras, úteis para o desenvolvimento dos aspectos biológicos e psicológicos do desenvolvimento da criança. A proposta de Pilotto traz a centralidade da questão artística ligada a uma concepção filosófica espiritualista, contrastante portanto com a então crescente cientificização do campo educacional.

O pensamento educativo de Pilotto, com ênfase na experiência estética como princípio formativo, se dá pela interlocução com autores diversos, como Tolstoi, Dewey, Gentile e Montessori, apropriados pelo intelectual e sintetizados em suas obras publicadas entre as décadas de 1940 e 1980.

O referencial teórico que auxilia na construção dessa trajetória mantém relação com os conceitos de trajetória, campo, capital e habitus, de Pierre Bourdieu, e de figuração ou configuração, de Norbert Elias, além da contribuição teórica de Carlos Eduardo Vieira sobre a história intelectual.

Para a realização da pesquisa, foram utilizadas fontes provenientes de diversos arquivos e centros de pesquisa de Curitiba e Ponta Grossa. As fontes pesquisadas são de tipologias variadas, como documentos administrativos do estado, periódicos, manuscritos e documentos não publicados, além de obras, fotografias, imagens e depoimentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *