Edson Luiz Campagnolo (2016) Comércio – Francisco Beltrão – Paraná

Edson Luiz Campagnolo é um empreendedor por natureza. Nascido em 1959, em Francisco Beltrão, iniciou sua vida empresarial ainda jovem, há mais de 30 anos, ajudando a administrar uma pequena malharia montada por sua mãe na própria casa da família, em Curitiba, para onde haviam se transferido.

Depois de experiências no comércio, em 1990 fundou a Rocamp, com sede em Capanema, Sudoeste do Paraná, em sociedade com a esposa, Sueli Roveda Campagnolo – com quem tem dois filhos, Thiago e Matheus, que hoje também atuam em distintas funções na administração da empresa.

A pequena fábrica cresceu ao investir na produção de peças para o mercado corporativo. Atualmente, as empresas Rocamp e Logic, além de seguirem atuando no setor corporativo, fornecem para grandes marcas mundiais do segmento esportivo. A companhia conta com mais de 300 colaboradores, responsáveis pela produção de 70 mil peças ao mês nas unidades fabris instaladas em Capanema, Santo Antônio do Sudoeste, Planalto e Itaipulândia. A empresa também atua no mercado de moda masculina, com a marca All Purpose.

Associativismo
Ao longo de sua vida empresarial, Edson Campagnolo desempenhou papel central no desenvolvimento do Sudoeste paranaense. Iniciou suas atividades como líder empresarial em 1995, como presidente da Associação Comercial e Empresarial de Capanema. Em 1996, presidiu a Coordenadoria das Associações Empresariais do Sudoeste, que reúne 27 entidades da região. Integrou ainda o Conselho Superior da Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Paraná (Faciap) e exerceu a função de Secretário de Indústria e Comércio de Capanema.

Entre 2002 e 2007, presidiu o Sindicato das Indústrias do Vestuário do Sudoeste do Paraná (Sinvespar), que representa mais de 300 empresas do segmento. Sua gestão foi marcada pela profissionalização da entidade e importantes projetos que deram visibilidade ao setor produtivo regional.

Atuação no Sistema Fiep
Em 2003, Edson Campagnolo tomou posse como vice-presidente da Fiep, cargo para o qual foi reeleito em 2007. No mesmo ano, foi eleito membro do Conselho Regional do Senai no Paraná, sendo reeleito em 2009. Em 2010, passou a presidir o Conselho Regional do Sesi no Paraná. Na Fiep, foi coordenador do Conselho Temático de Assuntos Tributários, que debate a questão da carga tributária brasileira e propõe soluções para tentar amenizar o problema, e comandou o movimento “A Sombra do Imposto”.

No dia 3 de agosto de 2011, com amplo apoio dos sindicatos industriais paranaenses, foi eleito presidente da Fiep, entidade que comanda até 2015.

Além da presidência da Fiep, Edson Campagnolo também ocupa atualmente a vice-presidência da Confederação Nacional da Indústria (CNI). É também presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae/PR, com forte atuação no apoio às micro e pequenas indústrias paranaenses.

Principais realizações da gestão
Em seus primeiros anos, a gestão de Edson Campagnolo já deixou marcas no Sistema Fiep. Confira algumas das principais realizações:

– Interiorização
Uma das prioridades da gestão de Campagnolo é a interiorização das ações da entidade. Isso ocorreu com iniciativas como as Caravanas de Planejamento Estratégico, que serviram para direcionar as linhas de ação do Sistema Fiep na atual gestão, e a Semana da Indústria, que descentralizou as atividades em comemoração pelo Dia da Indústria, celebrado em 25 de maio. Além disso, visitas a indústrias e reuniões com lideranças empresariais de todas as regiões são uma constante na gestão. Isso sem deixar de lado o olhar para Curitiba e Região Metropolitana, que concentra grande parte do setor industrial do Estado e segue recebendo a devida atenção do Sistema Fiep.

– Infraestrutura
A busca pela viabilização de investimentos que melhorem a infraestrutura de transportes do Paraná é outra prioridade da gestão. Tanto que o presidente Edson Campagnolo assumiu pessoalmente a coordenação do Conselho Temático de Infraestrutura da Fiep. Entre outras iniciativas, a entidade realiza estudos que apontam as obras essenciais para aumentar a competitividade do produto paranaense por meio de ganhos logísticos. Um deles é o Sul Competitivo, lançado em agosto de 2012 em parceria com Fiesc, Fiergs e CNI, que apresenta uma análise aprofundada sobre as condições da infraestrutura integrada da região Sul. Além disso, a Fiep vem articulando, com a presença constante do presidente Edson Campagnolo em ministérios e órgãos federais responsáveis pelo planejamento dessa área, investimentos que atendam às demandas do setor produtivo paranaense. É o caso, entre outras iniciativas, da defesa por um traçado adequado para a ferrovia Maracaju-Paranaguá e por investimentos nos portos paranaenses.

– Logística Reversa
Incentivando a responsabilidade ambiental das empresas, a Fiep buscou alinhamento com o governo do Paraná para que a indústria participasse da construção da política de logística reversa no Estado. Em dezembro de 2012, o governador Beto Richa e o presidente do Sistema Fiep, Edson Campagnolo, assinaram termos de compromisso de 14 setores da economia paranaense – envolvendo 67 sindicatos empresariais – com a logística reversa, o caminho contrário que o produto faz após o seu consumo, para que seja dada a destinação final ambientalmente correta. A iniciativa resultará em onze planos de logística reversa. Os primeiros planos setoriais, elaborados com a consultoria do Senai, foram entregues ao governo no início de 2014.

– Lei Estadual de Inovação
A articulação do Sistema Fiep foi fundamental também para que o Paraná ganhasse uma Lei Estadual de Inovação. Regulamentada em fevereiro de 2013, a legislação cria benefícios e estabelece mecanismos de cooperação entre os setores público e privado e academia, para pesquisa e desenvolvimento científico e tecnológico no Estado.

– Instituto Senai de Inovação
Em setembro de 2013, o Sistema Fiep inaugurou, em Curitiba, o primeiro Instituto Senai de Inovação (ISI) do país – até o final de 2014, serão 25 ISIs em todo o Brasil. A área de atuação do ISI do Paraná é a Eletroquímica e o objetivo é possibilitar a pesquisa aplicada em diferentes segmentos da indústria.

– Institutos Senai de Tecnologia
Além do ISI, o Sistema Fiep iniciou o processo de implantação de sete Institutos Senai de Tecnologia (IST) no Estado. Eles atenderão as indústrias no que se refere a tecnologias já dominadas. Os sete ISTs do Paraná serão especializados em diferentes setores e serão instalados nas seguintes cidades: Telêmaco Borba (papel e celulose), Ponta Grossa (construção civil), Arapongas (madeira e mobiliário), Londrina (tecnologia da informação e comunicações), Maringá (metalmecânico), Toledo (alimentos e bebidas) e Curitiba (meio ambiente e química). O Senai também está investindo na construção de onze novos Centros de Educação Profissional em todo o Estado, para ampliar a oferta de cursos de capacitação.

– Campus da Indústria
Junto com a inauguração do ISI, o Sistema Fiep lançou o Campus da Indústria, projeto que reúne diferentes centros de pesquisa e de desenvolvimento industrial, que são próximos geograficamente, na região do Jardim Botânico, em Curitiba, mas que até então atuavam de forma isolada. A proposta do projeto é fomentar a pesquisa aplicada, aliando a disponibilidade de pesquisadores às necessidades da indústria.

– Faculdades da Indústria
Investimentos e projetos na área da educação, em todos os níveis, são prioridade absoluta para o Sistema Fiep. Uma das iniciativas que mostram claramente essa preocupação foi a integração de todas as suas ações de ensino superior em um novo conceito: as Faculdades da Indústria. As Faculdades juntam as expertises das casas Fiep, Sesi, Senai e IEL para oferecer cursos de graduação (tecnológica, bacharelado e licenciatura) e pós-graduação em todo o Estado.

– Pronatec
Na área de educação profissional, uma das principais ações do Sistema Fiep desde 2013 são os cursos ofertados através do Pronatec – Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego. O Senai é uma das instituições executoras do programa, que conta com recursos do governo federal. No Paraná, mais de 50 mil matrículas foram realizadas pelo Pronatec em 2013, sendo aproximadamente 35 mil pelo Senai.

– Colégio Sesi Internacional
Com início das atividades em 2014, o Colégio Sesi Internacional, instalado no Campus da Indústria, em Curitiba, une a metodologia inovadora da instituição com o ensino bilíngue. O objetivo do Sesi com essa iniciativa é acompanhar a realidade socioeconômica atual e trazer novas estratégias para incrementar a qualidade de ensino no país. A unidade internacional consolida ainda mais o Colégio Sesi como a maior rede privada de ensino médio do Paraná, contando com 51 escolas onde estudam mais de 13 mil alunos.

– Cuide-se +
Lançado em julho de 2012, o programa Cuide-se + é uma iniciativa do Sesi no Paraná para promover a qualidade de vida dos trabalhadores das indústrias, suas famílias e a comunidade, bem como estimular a gestão socialmente responsável das empresas. O programa atua em oito eixos: prevenção ao câncer, prevenção ao uso de álcool e outras drogas, alimentação saudável, prevenção de acidentes de trabalho, estímulo a atividades físicas, prevenção de doenças crônicas, prevenção de DSTs e prevenção ao estresse. No eixo de prevenção ao câncer, o Sesi lançou uma unidade móvel que percorre o Estado realizando exames gratuitos.

– Atuação do IEL
O Sistema Fiep reformulou e reforçou a atuação do Instituto Euvaldo Lodi. Uma das iniciativas para isso foi a inauguração, ao longo de 2013, de postos avançados do IEL dentro de algumas instituições de ensino, como PUC-PR e Centro Universitário FAE. Os espaços são utilizados por estudantes que procuram oportunidades de carreira em programas de estágio e trainees. Além disso, o IEL vem ampliando sua atuação na área educacional, especialmente por meio da Escola de Gestão da Indústria, que oferece cursos de pós-graduação e de extensão voltados à gestão, com foco no desenvolvimento de carreira e aprimoramento de competências, capazes de impulsionar o crescimento das empresas. O IEL também assinou acordos de cooperação com instituições de ensino estrangeiras, como a Universidade de Steinbeis, da Alemanha, para troca de experiências e conhecimentos.

– Centro Cultural Sesi Heitor Stockler de França
A residência onde viveu o primeiro presidente da Fiep se transformou no Centro Cultural Sesi Heitor Stockler de França. O casarão histórico, na região central de Curitiba, foi cedido pelos herdeiros do industrial para administração do Sistema Fiep, que no local passou a oferecer ao público uma programação cultural diversa e completa durante todo o ano. O Centro Cultural foi inaugurado oficialmente em dezembro de 2013.

– Relações internacionais
Para ampliar ainda mais o trabalho de intercâmbio do Sistema Fiep e da indústria paranaense com outros países, foi criada a Gerência de Relações Internacionais e Negócio Exterior. Abrangendo, entre outras áreas, o Centro Internacional de Negócios da Federação, a gerência trabalha na busca por acordos de cooperação e pela internacionalização da indústria paranaense, através da promoção de missões empresariais, rodadas de negócios e a recepção de comitivas estrangeiras que vistam o Paraná.

– Transparência e Competitividade
Preocupado com os prejuízos que a corrupção traz para o ambiente de negócios do Brasil, o Sistema Fiep, através do Sesi, promoveu em novembro de 2013 o Fórum Transparência e Competitividade. Realizado em parceria com o Instituto das Nações Unidas de Treinamento e Pesquisa (Unitar) e o Cifal Curitiba, o evento reuniu especialistas brasileiros e estrangeiros para debater os impactos da corrupção para as empresas, as ferramentas que podem ser usadas por elas para prevenir essa prática e o papel das organizações no combate à corrupção.

– Gestão interna
Diversos investimentos foram feitos para melhorar a gestão interna do Sistema Fiep, a fim de aumentar a eficiência, a produtividade e a governabilidade da entidade. Entre outras melhorias na infraestrutura estão a implantação de ferramentas para gestão de processos internos e controle integral de gestão. Além disso, foram promovidas reformulações organizacionais a fim de se valorizar a transparência e a correta gestão da organização.

– Articulação Política
Cumprindo seu papel de legítima defensora da indústria paranaense, a Fiep vem buscando uma união cada vez maior do setor, levando o posicionamento do segmento às diferentes esferas do poder público. Em uma dessas articulações, concluída em março de 2014, a Fiep teve papel decisivo nas negociações para que o reajuste do salário mínimo do Paraná sofresse um reajuste em índices próximos à inflação pela primeira vez desde a implantação do piso regional. Além disso, a Fiep ampliou o número de ações coletivas e assessoria jurídica prestada às indústrias, através dos sindicatos empresariais que as representam. Iniciativas como essas reforçam o posicionamento da Fiep como representante da indústria do Paraná e dão sentido ao slogan adotado pela atual gestão: “Nosso i é de indústria”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *