Terezinha Pereira Abagge (2015) Administração – Jacarezinho – Paraná

Nasci há 72 anos, no paraíso, em Jacarezinho no Norte Pioneiro do Paraná. Minha infância foi coroada com a presença de uma natureza esplendorosa e uma gente cordial, trabalhadora e bem-humorada. Lá, aprendi o sentido real de ser e não ter.

Uma das curiosidades da cidade de Jacarezinho, é ser carismática no mês de julho, pois a cidade tem à sua volta, várias fazendas que são grandes áreas.  Não há muito movimento durante o ano, mas nas férias, todo mundo vai para lá. Nessa época, acontecia o Baile do Texas que eu frequentava e, anos depois, meus filhos também.

Com meus pais moldei o que sou e sempre serei. Meu pai, Cassio Arantes Pereira, um homem forte, decidido, trabalhador e político. Foi Prefeito em Jacarezinho e deu o seu nome ao Ginásio de Esportes.

De meu pai herdei o gosto pela política, pela coragem e pelos resultados práticos da vida, quer de saúde ou trabalho. Um homem esplêndido, com caráter e integridade exemplares.

Minha amada mãe, Rita Souza Pereira, me mostrou como cuidar de uma família pelo bom senso e moderação e ensinando muitas artes domésticas como tapeçaria, etc. Me passou também espíritos religiosos, de justiça, de fidelidade e sobretudo, da arte de cozinhar, de tudo e não um pouco, mas muito. Uma mulher esplendorosa, bonita, meiga, muitas vezes forte e resiliente, um exemplo que procuro, minimamente, seguir.

Através dos meus pais, tenho dois irmãos incríveis.  O Roberto (“Jacaré”) e o Paulinho. Homens bens sucedidos, exigentes, familiares, muitas vezes opiniáticos e rígidos, mas sempre bem-humorados, amigos fraternos e fiéis.

Após uma infância inesquecível, vim estudar e morar em Curitiba com 11 anos de idade onde completei o ginásio no Colégio São José e depois, no de Educação Familiar, do qual gostei tanto que ainda temos encontros com a turma duas vezes por ano.

Curitiba era outra vida. Tempos das festas incríveis, das colunas sociais, das gestões sociais e empresariais embrionárias. Grande época pra uma jacarezinhense aprender os bons modos e traquejos do vestir, falar e se comportar. Aqui estudei, e aprendi a conviver em um mundo social culto e em enorme crescimento.

Me formei em 1964 e me casei em 1965 com o Nicolau Elias Abagge. Um homem valoroso, cordial, social.  Dele assimilei o convívio à boa mesa e aos bons festejos, convivendo com grupos de amigos que tenho até hoje e que são responsáveis por tudo o que sou e que represento. Ele foi o Presidente do Centenário do Clube Curitibano, do qual sou sócia desde os 12 anos de idade.

Dessa união tive três filhos, que nasceram de quatro em quatro anos. Primeiro, a Rita de Cássia, casada com o Eurico Greca; Gustavo e o Gabriel que é casado com a Patricia Abagge. Sensíveis, muito têm de nós, dos meus ancestrais, mantendo os nossos valores de família. Nos deram cinco netos: a mais velha é a Marina Abagge Greca, depois o Tel Abagge Greca, Maria Fernanda Abagge, Nicole Abagge e a mais nova Gabriela Abagge.  Sempre fui mais dona de casa do que profissional.

Me orgulho muito de ter sido a primeira Ouvidora do Clube Curitibano, sem nenhum custo à entidade, durante a presidência e a convite de Diógenes José Wady. Tenho muito orgulho de ter feito esse trabalho.

Dentre meus anos como Ouvidora do Clube, houve um episódio num dia de baile, quando as mulheres estavam nas mesas, um por um, seus maridos iam falando algo em seus ouvidos e depois iam saindo, nisso o Nicolau chegou e me disse: “Fique quieta e aguente firme, porque recebemos um telefonema dizendo que tem uma bomba dentro do Clube”. O evento estava lotado. Chamamos a polícia que veio com cachorros e tudo mais. Foi um baile muito aflito, porém a polícia disse para continuar, pois eles não haviam achado nada.

Após o falecimento trágico do Nicolau, fiquei reservada aos meus filhos e sem vontade de sair, foi quando conheci Antonio Cezar Mendes Santos, dentista, uma pessoa incrível nessa história. Nos casamos dia 27 de junho de 2008 e estou muito feliz com ele. Em onze anos, aumentamos e acrescentamos mais familiares com os seus dois filhos, o Cadu, engenheiro,  o Alexandre, médico, que já nos deu mais uma netinha, a Beatriz.

Entre meus hobbies, já fui bastante aficionada por cinema. E eu, que não fui muito de esportes, agora faço academia, musculação, aeróbico todos os dias.

Hoje, quando me perguntam se tenho algum objetivo, digo que é viver até aos 92 anos. Por quê? Não sei, porque não são 90, são 92! É uma coisa que me veio na cabeça, e eu penso, vou viver até essa idade e bem!

Acho a vida maravilhosa, quero ver meus netos e bisnetos crescerem. Quando mais nova, pensei em cursar medicina, e ao terminar o Segundo Grau, com 18 anos, casei e já, com 19 anos, era mãe. Às vezes, não fazemos o que pretendíamos na vida, porém o realizamos de outra maneira, e por isso, eu sou uma pessoa bem realizada.

Durante essa minha história de 72 anos, uma coisa se intensifica e se fortalece que é o meu amor pelo Clube Curitibano. Vem desde quando nos associamos até quando Nicolau foi presidente, depois eu, Ouvidora, Diretora Geral e nos dias atuais quando sou Vice. Amo esse clube que, sem dúvida, faz parte de minha vida e sempre fará. Conheço, provavelmente, todos seus funcionários, muitos associados e todos os metros quadrados de suas sedes.

Hoje, me dedico à minha família principalmente, meus filhos, enteados, irmãos, e a Saben (Associação Árabe de Beneficência), onde sou diretora social do Conselho Feminino e também administrando minha fazenda em Conselheiro Mayrink, bem como a viver a política e administração desse Clube Curitibano.

Por fim, deixo uma mensagem à posteridade.Anos atrás, vi uma propaganda de um jogador de futebol, que dizia para tirar vantagem de tudo e essa tem sido a mentalidade do brasileiro. É necessário mudar isso. Precisamos pensar em nosso país, sermos honestos, ter apenas aquilo que nos seja útil, ajudar as pessoas e não ficar com essa ganância dos nossos políticos que deixaram o país desse jeito. Devemos criar nossas crianças para serem pessoas honestas.

Esse é o meu desejo à posteridade.

Comentarios 1

  1. Daniel

    Bacana! Tenho visto muitas notícias da família Abagge no noticiário nessa última semana. Legal conhecer mais um membro. Obrigado por postarem. Um abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *