Constantino Batista Viaro (2015) Direito – Curitiba – Paraná

Nasceu em Curitiba , a 19 de fevereiro de 1938, filho de Guido Pllegrino Viaro e Yolanda Stroppa Viaro, ele artista plástico e professor, ela do lar. Fez dois cursos Superiores: Direito e Belas Artes, fazendo mais tarde pós- graduação em Direito Romano, na Faculdade de Direito, da Universidade de Bolonha, Itália. Seu primeiro emprego foi na Revista Correio dos Ferroviários, ajudando o prof. Nilo Brandão a editá-la, para a Rede Ferroviária Federal. A seguir foi trabalhar como repórter no Jornal “O Estado do Paraná”, onde permaneceu por aproximadamente oito anos, tendo encerrado a carreira, também, como correspondente do “Correio da Manhã” do Rio de Janeiro. Já formado em Direito, começou a advogar. Inicialmente em Campo Largo e em seguida em Curitiba, onde exerceu a profissão por muitos anos. Em 1967 casou com Vania Shussel , com quem teve três filhos, Guido , Tulio e Mariana. Neste período, a convite do Prefeito Ivo Arzua Pereira, foi trabalhar na Prefeitura de Curitiba, como advogado sendo, mais tarde nomeado por concurso, Procurador do Município. Durante sua vida profissional na Prefeitura, exerceu vários cargos: Assessor Jurídico do Departamento da Administração, Diretor Administrativo da Fundação de Recuperação do Indigente FREI, Diretor Administrativo e Financeiro da Fundação Cultural de Curitiba, Diretor Geral da Administração, hoje Secretaria de Administração. Neste período fui eleito Presidente do Clube Curitibano, entidade Centenária de Curitiba. Após esse período, fui convidado pelo então Secretário de Cultura, Renê Ariel Dotti, a exercer o cargo de Presidente do então Centro Cultural Teatro Guaíra, onde permaneci por duas gestões. Neste período reiniciei as produções de Óperas, reativei o Teatro de Comédias do Paraná, construí os Teatros Barracão no interior, montei quatro ônibus palco de “O Teatro vai à Escola”, que apresentou teatro de boa qualidade há mais de 500 mil crianças em todo o Paraná, inclusive a ópera “ Flauta Mágica “ de Mozart. Também criamos em Curitiba o teatro “Novelas Curitibanas”, que estreou com a primeira peça de Dalton Trevisan. “Mistérios de Curitiba” e em seguida “O Vampiro e a Polaquinha”, que bateu todos os recordes de público, ficou 7 anos em cartaz em Curitiba, e 6 meses em cartaz no Teatro do Hotel Copacabana Palace , no Rio de Janeiro. Voltando a prefeitura, o prefeito Jaime Lerner me nomeou Secretário para Projetos Especiais. Entre outras coisas, viabilizamos a Pedreira e idealizamos da Ópera de Arame. Resolvi , por conta própria, reinstalar o Museu Guido Viaro, que havia sido fechado há vinte anos, e junto com meus filhos , proporcionar aos curitibanos mais um espaço cultural importante para a cidade.

Comentarios 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *